O objetivo deste blog é divulgar toda a minha produção poética, sem prejuízo de continuar a ser postada também no Portal de Poesia Rodolfo Pamplona Filho (www.rodolfopamplonafilho.blogspot.com).
A diferença é que, lá, são publicados também textos alheios, em uma interação e comunhão poética, enquanto, aqui, serão divulgados somente textos poéticos (em prosa ou verso) de minha autoria, facilitando o conhecimento da minha reflexão...
Espero que gostem da iniciativa...

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Sozinho na multidão


Rodolfo Pamplona Filho

Sozinho na multidão
pensando em como seria
se alguém o conhecesse

Sozinho na multidão
sonhando com o dia
em que a história seja outra

Sozinho na multidão
cogitando se vale a pena
tentar conhecer alguém

Sozinho na multidão
mas sem qualquer coragem
de mudar sua situação

Sozinho na multidão
na convicção de que
melhor seria não estar só.


São Paulo, 23 de setembro de 2017.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Sobre Adolescentes



Rodolfo Pamplona Filho

Eu fui
O gordinho que ninguém ligava
O cdf que era explorado
O esquisito que ninguém dava bola

Eu fui
O nerd que era excluído
O punk que era temido
O pobre que era ignorado

Jamais fui
O gostosão que todas queriam
O atleta admirado por todos
O músico virtuoso que encantava

Eu simplesmente fui
a minha visão de gente:
alguém igualzinho aos outros...
mas completamente diferente.


São Paulo, 24 de setembro de 2017.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Professor(a)


Rodolfo Pamplona Filho

Ser professor(a) é ser farol
a iluminar um caminho que,
uma vez aceso,
jamais retornará às trevas.

Ser professor(a) é ser ponte
que aproxima os distantes
e retoma o caminho
da construção do diálogo.

Ser Professor(a) é ser cornucópia
para uma fome
que ele deseja seja sempre
simplesmente insaciável.

Ser Professor(a) é ser flor
que se entrega
para ser parte do livro
da vida de alguém.

Ser Professor(a) é ser tudo isso
e muito mais:
é acreditar e saber
que o futuro de seus alunos
passa por suas mãos...

Salvador, 15 de outubro de 2017, "dia dos professores".

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

O amor é confuso



Rodolfo Pamplona Filho

O amor é confuso.
Se não fosse confuso, não seria amor
Poderia ser paixão. Muito mais simples.
Paixão explode, é intensa.
Quando acalma, acaba.
Pronto, passou.

O amor é confuso.
O amor é tão confuso, que teima em viver
um tempo não vivido.
São as lembranças dos dias felizes,
um planejamento de futuro
e ainda tem o se,
aquele do futuro do pretérito.

O amor é confuso.
O amor não pensa, só sente.
Por não pensar, não tem razão.
Não é certo e nem errado.
Pode ser triste e,
no minuto seguinte,
te deixar em êxtase.

O amor é confuso.
Ficamos admirando
o objeto do nosso amor,
da nossa devoção,
embasbacados,
sem saber se partimos
ou se ficamos.

O amor é confuso.
É difícil viver com ele
É difícil viver sem ele
É impossível não querer vivê-lo.
É impossível passar por ele sem sofrer.

O amor é confuso.
Mas não vale a pena
ter vivido
se não tiver sido experimentado
pelo menos uma vez...

Salvador, 20 de agosto de 2017

domingo, 12 de novembro de 2017

O fim


Rodolfo Pamplona Filho

Não pense que algo termina,
seja uma vida, um emprego
ou mesmo um casamento,
porque outra opção surgiu.
Se for por isso,
sempre haverá
outro olhar a comparar.
Só se termina algo
porque não tem mais
como continuar.
Termina-se algo
porque as coisas mudaram,
sentimentos se transformaram,
o mundo efetivamente girou...


Salvador, 30 de setembro de 2017.

sábado, 11 de novembro de 2017

Mulher Brasileira



Rodolfo Pamplona Filho

A mulher brasileira batalha
e enfrenta a luta diária.
Ela não tem medo da vida.
Ela não tem medo de nada.
Ela não quer pena
ou condescendência:
ela só quer respeito
e consciência
para construir seu caminho
e conquistar seu espaço
Marias, Helenas,
Fernandas, Marinas,
Moanas, Cecílias,
Marianas, Luizas,
Julianas, Emilias,
Marcellas, Patrícias,
Cristianes, Renatas,
Alines, Cristinas
Todas elas guerreiras
Todas elas meninas
Todas elas mulheres
Todas elas humanas.

Salvador, 04 de agosto de 2017.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Histeria



Rodolfo Pamplona Filho

Uma multidão reunida
esperando a chegada
do amado protagonista

Olhares fascinados,
apenas vidrados
para não perder nada.

Como se algo pudesse
realmente ser perdido
em uma fração de segundo.

E chega a hora!
gritos na expectativa
e na efetiva entrada

O Culto começa:
Palavras de ordem
expressas em Canções

Palmas e Coros
Brados e Braços
levantados na Catarse

Luzes e som
em todos os lados
e em cada canto...

Na Adoração,
pouca diferença há
entre Sacerdotes, cantores
ou líderes políticos:
Tudo coopera para
a manifestação da histeria.

São Paulo, 23 de setembro de 2017, assistindo um show...


quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Eu só quero que você me ame...




Rodolfo Pamplona filho

Eu só quero que você me ame...
E que não fique me batendo...
E não fique desconfiando de mim...
E não interprete cada ato meu
como se fosse algo contra você...

Eu só quero que você me ame...
Eu só quero amor somente...
E que não desconte em mim
por coisas que eu não fiz
ou nem sei o que é...

Eu só quero que você me ame...
E que não me maltrate...
E nao ache que todo comentário meu
seja uma crítica ou acusação
que exija defesa ou ser rebatida...

Eu só quero que você me ame...
Amor para sempre...
Amor pungente...
Amor fervente...
Amor decente...

Eu só quero que você me ame...
Amor urgente
Amor bem quente...
Amor somente...
Somente amor.

São Paulo, 23 de setembro de 2017.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Declaração de Paternidade



Rodolfo Pamplona  Filho

Reconhecer
a paternidade
é mostrar ao mundo
a verdade
de que todo homem
pode se projetar
além do fim
da sua própria vida.

Aceitar
a paternidade
não é capitular
de uma luta,
mas sim vivenciar
o doce sentimento
que faz superar
qualquer sofrimento.

Assumir
a paternidade
é mais que garantir
o papel passado:
é viver
o papel presente
e saber
seu papel no futuro.

Salvador, 19 de setembro de 2017.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Arquitetura de Impacto


Rodolfo Pamplona filho

Paralelas
Iluminações
Passarelas
Calçadões
Subterrâneas
Construções
Contemporâneas
Inovações

Toda mudança choca,
pois o apego à segurança
 do que se passou
(e não voltará jamais)
termina por travar
o avanço ou evolução
do que veio para ficar
e não apenas ser saudade.

Seja a pirâmide
para o Louvre
ou Chagall para o teto
da ópera de Paris,
o que é novo
gera repulsa
de quem vive a nostalgia
e não vê a realidade.

Seja no Porto
ou em Salvador,
novas tecnologias
sempre terão um opositor,
pois a essência
da resposta natural
a qualquer mudança
é a negativa total.

Mais difícil
do que transformar
é conseguir superar
a resistência,
pois nem todos percebem
que simplesmente mudar
pode ser a única forma
de sobrevivência.


Salvador, 20 de agosto de 2017.